Percurso

Local da Partida e chegada - Jardim do Largo Vieira Caldas

Data do século XIX, era denominado pelo povo de "Rossio". É com a construção do Coreto em 1909 que passa a ser o "centro" da Vila.

Este teve como objetivo a exibição da Banda Musical de Caneças.  

 

Fonte das Fontainhas - Rua das Fontainhas

Desde sempre abasteceu a população de Caneças.

É considerada a fonte mais antiga de Caneças.

Tem como nascente a Ribeira das Águas Livres, e após a construção do aqueduto das Águas Livres - que se inicia neste local, perde a sua força e é transformada em lavadouro público.

 

Fonte das Piçarras - Rua Nau Verde

Também é conhecida por Fonte de Santo António.

Fonte com corpo avançado de estilo Neo-Manuelino, e uma parede de azulejos em alto relevo, com representações de índios, fauna e flora, onde se pode ler:

" Esta Fonte das Piçarras 
Tem utilidade e graça
Está entre três caminhos
E mata a sede a quem passa."

 

Fonte de Castelo de Vide - Rua Fonte Castelo de Vide

Este topónimo advém, segundo a tradição do facto de ti Maria, natural de Castelo de Vide no Alentejo, que ali terá tido a sua residência.

A construção da Fonte tem como data provável o início da década de 30, julgando-se ser obra do antigo proprietário Aniceto dos Santos Paisana.

Em 1977 é cancelada a possibilidade de vender água em bilhas de barro. A autorização é concedida novamente em 1982, com a condição da realização de investimentos e renovação da maquinaria. Devido ao orçamento do investimento ser elevado, o proprietário não conseguiu realizar o processo, encontrando-se atualmente em grande estado de degradação.

 

Passagem no Palácio das águas férreas

Foi construída depois de 1755, chamando-se na altura "Quinta das Águas Livres". Era uma casa abastada, propriedade de uma família, e tinha produção própria de vinhos.

Depois de ter sido vendida, espoliada, e abandonada, foi recuperada e desde então, funciona como um Centro de Férias para a Terceira Idade e um Ponto de Encontro para a Juventude.

 

Passagem no Alto da Pena

 

Fonte dos Passarinhos - Lugar d´Além

Construída nos finais de 1933, inaugurada em 1934, tal como as restantes teve o seu esplendor nas décadas de 30 e 40.

Esta fonte tem uma decoração realizada com conchas de molusco, fragmentos cerâmicos e seixos do rio.

A Empresa Fonte dos Passarinhos explorava e vendia a sua água nas tradicionais bilhas de barro. Mais tarde em 1960 recebeu diretrizes da antiga Direção Geral de Minas e Serviços Geológicos para proceder a um novo licenciamento que não teve continuidade.

 

Fonte dos Castanheiros - Rua dos Castanheiros

Decorada com conchas de moluscos, seixos do rio e fragmentos de cerâmica, apresenta decorações geométricas realizadas com estes elementos. Uma fachada de três arcos de volta perfeita dá acesso ao interior da mesma.

Situada na Quinta do mesmo nome, esta Fonte teve por início uma sociedade constituída por seis sócios, fundada em dezembro de 1931; designava-se Sociedade de Água de Caneças. Embora fundada em 1931, a licença de exploração e venda como água de mesa apenas foi concedida em setembro de 1932, pela antiga Direção Geral de Minas e Serviços Geológicos.

Em 1938 esta Fonte era a de maior fama, quer pelas suas instalações, quer pelo movimento de material expedido.